Há coisas que não podem ficar entaladas cá dentro!

17
Out 11

Faz tempo que deixei de ser criança, faz ainda mais tempo que não me vejo como uma. No entanto, quando busco pelas recordações de outrora, revivo sensações tão próximas... Hoje, pensando comigo mesma, comecei a recordar tudo aquilo que já fiz e que agora me parece tão surreal. No fim de contas cá dentro não moram apenas conhecimentos adquiridos de livros, jornais e enciclopédias. Eu tive, em tempos, uma vida que para muitas crianças de hoje lhe parecería ridícula. Ridícula... ridícula não. Para mim foi a melhor infância, uma infância de saber experimentado.

 

Eu corri montes, rasguei as minhas pernas em bicos e silvas e caí sobre pedras. Eu andei descalça pela rua com uma fatia de pão acabado de cozer na mão. Agarrei com as minhas mãos em tripas de porco em inúmeras matanças. Como eu adorava os dias de matança, aquele cheiro a carne misturado com o da terra ao nosso redor, a camaradagem, o sabor da carne acabada de sair do fogo...

Em tempos também fui capaz de ir alimentar as galinhas e de lhes ir roubar os ovos. Como se elas se importassem... pelo menos eu não me importava nada de comer aqueles belos ovos usados em bolos deliciosos. Ah! E sim, eu também raspei a massa dos bolos com os meus dedos e inocentemente os levei à boca. Tomei banho de mangueira quando o calor do verão me ameaçava o corpo. E tomei banho de ribeira quando havia tapetes para serem lavados. E tomei banho de tanque quando haviam amigas para brincar.

Bastante cedo aprendi a cortar o meu cabelo, e bastante cedo aprendi que se não queria parecer um rapaz não o deveria cortar sozinha. Também aprendi a colher o fruto da árvore, a limpá-lo no meu vestido e no mesmo instante comê-lo. Soube o que é apanhar alfarrobas. Soube o que é apanhar amêndoas, pegar numa pedra, abri-las e comê-las. Fui capaz de trepar árvores atrás de gatos e fazer delas o meu castelo.

 

Infância perdida? Sim, mas não a minha. As crianças de hoje é que estão a perder todos estes e outros momentos que uma vida pode proporcionar. Provavelmente os meus filhos também perderão muitos, mas vão saber de onde vêm realmente os ovos e o leite.

 

Vão saber que a verdadeira felicidade está nas coisas espontâneas e simples da vida. 

 

 

publicado por Palavras Rasgadas às 20:13
sinto-me: Nostálgica
música: Velha Infância - Tribalistas

07
Jul 10

 

 

 Visão:

 

Acordo e ponho-me em frente ao espelho. Sorrio. Aquela imagem que me reflete pode até não ser a de uma pessoa com uns olhos lindos e um corpo formoso, mas é aquela imagem que me dá a percepção que estou viva. Volto a sorrir. Enquanto olhar para o espelho e ver aquela imagem a sorrir para mim sei que vale a pena ter acordado. Sempre que ver aquela rapariga a sorrir sei que ela realmente tem motivos para viver.

 

Vivemos num mundo de aparências. Um mundo onde o nosso olhar capta a maior parte dos sentimentos que nos trespassam o coração. E se isso não acontece é porque preferimos andar às cegas a vaguear por ai. Ver com os olhos... ver com o coração.

 

 

 

Olfacto :

 

Vou por aí, algures. No meio de tantos inpirar e expirar algo me faz parar. Volto a inspirar, desta vez profundamente. "Eu consigo reconhecer este cheiro!" De repente sinto-me a viajar até algum dia da minha infância. Consigo sentir o calor do Verão no meu corpo em contraste com o fresco dos azulejos onde me sento. O cheiro a pão quente acabado de fazer é o mesmo. Lembro a minha mãe a trazer-me uma fatia desse mão e o cheiro agora está nas minhas mãos. De repente acordo e sorriu: "Bons tempos!"

 

Odores com que por vezes nos deparamos conseguem nos fazer viajar para muito longe. É em momentos assim que percebemos que afinal temos uma história. Para percebermos o presente temos de primeiro perceber o passado.

 

 

 

Paladar:

  

Adoro sentir o sabor do chocolate a despazer-se na minha boca. Vicio, dependência, prazer! Mil e uma sensações percorrem a minha alma entre o momento em que ponho aquele quadradinho de chocolate na minha boca e aquele em que por fim engulo aqueles restos de pecado. Gula!! Chamem-me pecadora!

 

Eu não diria que nós somos aquilos que comemos. Diria antes que somos todos os sentimentos degustativos que sentimos quando saboreamos aquilo que comemos. Serei então o exotismo do chocolate, a força do café, a frescura da água, a animalidade da carne...

 

 

 

Audição:

 

Do nada começa a dar aquela música. O nosso coração começa a palpitar mais acelaradamente. Deixamos de ouvir qualquer ruído que esteja à nossa volta. Todos desaparecem. O nosso cérebro automáticamente começa transmitir para nós aqueles versos. É incrível o que aquelas palavras nos fazem sentir. Cada uma é tão certa, faz tanto sentido. Aquela música deixa de ser de quem a está a cantar e passa a ser nossa.

 

Além de uma arte a música é um medicamento. A energia que muitas vezes procuramos nos lugares errados. Uma parte da nossa vida está escrita em meia dúzia de canções.

 

 

 

 

Tacto:

 

As minhas mãos vão deslizando no corpo dele. Cada sinal que encontram é um marco de sensação. A pele é tão calma no meu toque suave. Sinto o corpo dele responder como se pedisse mais. Toco a pele dele para ter a certeza que ele está ali. Preciso ter essa certeza e preciso mostrar-lhe que o encontrei. É uma necessidade constante de ter a certeza que estamos realmente juntos, que aquele sentimento realmente existe.

 

 

Sabemos que não temos complexos com o nosso corpo ou com o corpo dos outros quando tao facilmente fazemos uma festa na cara ou damos a mão a alguém com a mesma facilidade com que dizemos um "ola". Tocarmo-nos é um sinal de carinho, de amizade de união. Tocar alguém é forma mais facil e verdadeira de dizer "estou aqui do teu lado".

 

 

 

publicado por Palavras Rasgadas às 19:37
sinto-me: A sentir...
música: Feel - Robbie Williams

Dezembro 2015
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
17
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30
31


posts recentes

Infância Perdida

Sentidos

subscrever feeds
mais sobre mim
pesquisar
 
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Por aqui passaram:
hospedagem
Contador de visitas grátis
blogs SAPO